sexta-feira, 31 de agosto de 2012

ACRAL prolonga campanha de recolha de donativos para vítimas de incêndios

A Associação do Comércio e Serviços da Região do Algarve (ACRAL) decidiu prolongar, até ao dia 15 de setembro, a campanha de recolha de donativos para as vítimas dos incêndios que devastaram a Serra do Caldeirão em julho. 


O encerramento desta campanha, destinada às vítimas dos fogos que afetaram os concelhos de Tavira e São Brás de Alportel, estava inicialmente previsto para hoje, 31 de agosto, mas, devido ao “sucesso” que a mesma está a ter, a associação entendeu prolongá-la. 

“Esta campanha solidária está a ter um grande impacto junto da população e os contributos estão a superar as melhores expetativas. Por esse facto, tomámos a decisão de a alargar”, explica o presidente da instituição, João Rosado. 

Cinco centenas de mealheiros oferecidos pelo BES estão colocados nos estabelecimentos aderentes do comércio local de Vila Real de Santo António, Tavira, Olhão, Faro, Loulé e São Brás de Alportel, onde todos os clientes podem efetuar o seu donativo. 

No final, os donativos recolhidos serão divididos e depositados em partes iguais nas contas criadas para o efeito pelas autarquias de São Brás de Alportel e Tavira. 


Governo prepara apoio para contratos a prazo no Algarve

Hotelaria e restauração são as áreas centrais do programa, que pode chegar a três mil pessoas.

As empresas do Algarve mais sujeitas à sazonalidade poderão vir a beneficiar de um apoio financeiro se mantiverem os actuais contratos a termo depois da época alta. O programa ainda está em fase de estudo mas é provável que, em troca do incentivo do Estado, as empresas tenham de manter estes contratos por mais um ano e sejam obrigadas a dar formação. Já o apoio deverá durar seis meses.


Para já, a ideia "é conceder apoio financeiro a empresas que renovem contratos de trabalho que, de outra forma, iriam caducar" e originar, "em grande parte dos casos", situações de desemprego, afirmou fonte da secretaria de Estado do Emprego ao Diário Económico.

Esta medida ainda vai ser discutida com os parceiros sociais mas poderá vir a ser lançada já em Setembro, uma vez que o objectivo é combater o desemprego sazonal. O programa dirige-se sobretudo aos sectores da hotelaria e restauração e poderá abranger entre mil a três mil pessoas. Falta saber quanto poderá custar. No futuro, de acordo com a avaliação que venha a ser feita, o incentivo poderá estender-se a outras regiões e sectores. Para já, o Algarve é a região eleita porque é a "mais exposta ao desemprego sazonal", indica a mesma fonte.


Apoio deverá corresponder a parte do salário

O valor do novo incentivo ainda não está decidido mas poderá seguir as linhas do que já está estipulado para a medida Estímulo 2012 (destinada à contratação de desempregados). Assim, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) é capaz de conceder um apoio igual "a determinada percentagem da remuneração - por exemplo, 50% - desde que em parte do tempo desse período adicional do contrato haja um investimento na formação profissional do trabalhador", explica. Recorde-se que o apoio Estímulo 2012 tem actualmente um limite mensal de 419,22 euros e impõe outras condições de acesso.

Também agora, o novo apoio poderá chegar a seis meses, aproximando-se da duração da época baixa. No entanto, para beneficiar da ajuda, a empresa poderá ser obrigada a renovar o contrato por mais um ano. Desta forma, apanha novamente a época alta. É que as empresas iriam sempre procurar trabalhadores nos "seis meses finais", indica a mesma fonte.

O Diário Económico sabe que esta medida também pode ser enquadrada no âmbito do regime excepcional já em vigor, que permite que os contratos a prazo sejam renovados mais duas vezes (até 18 meses) quando atingirem os limites legais. Ainda assim, fonte da secretaria de Estado do Emprego recorda que, no caso do Algarve, muitos contratos a termo têm uma duração curta, que coincide com a época alta. O objectivo é então passar "para um modelo" de contrato a prazo "com uma duração mais longa" ou até transitar para um contrato sem termo. E "durante a altura em que a procura das empresas, em relação a trabalhadores, é mais baixa, faz-se um investimento em formação profissional".

Desta forma, "o turismo e actividades relacionadas", no Algarve, podem beneficiar "de trabalhadores mais qualificados e quebrava-se esta sazonalidade que implica custos a vários níveis", nomeadamente no orçamento do Segurança Social, diz.

Até agora, as medidas do Executivo têm procurado sobretudo apoiar a contratação, incluindo a termo. Este programa tentará incentivar a manutenção de postos de trabalho, a mesma lógica seguida pelo Governo quando permitiu a renovação extraordinária de contratos a termo.

Desemprego no Algarve supera os 17%

A taxa de desemprego no Algarve já chegava aos 17,4% no segundo trimestre do ano. Em 2011, o número de desempregados aumentou 8,7 mil no terceiro trimestre (Verão) para o quarto, contrariando o anterior movimento de descida. Na mesma altura, perderam-se 14,3 mil empregos. O número de desempregados que se inscreveram nos centros de emprego do Algarve, em Outubro de 2011, também subiu 13,2% face a Setembro, o maior crescimento entre regiões.


Grupo Folclórico de Faro representa país em dois festivais de folclore russos

O Grupo Folclórico de Faro (GFF) vai representar Portugal no Festival Internacional de Folclore de Moscovo e no Festival «Golden Ring», em Vladimir, dois dos mais importantes eventos do género que se realizam na Rússia. 


Estes festivais são organizados pela secção nacional da Rússia do CIOFF (Conselho Internacional das Organizações de Festivais de Folclore), organismo internacional com relações formais de consulta com a UNESCO, que reúne mais de 200 festivais de folclore em todo o mundo. 

As duas iniciativas culturais realizam-se entre hoje, quinta-feira, 30 de agosto, e dia 8 de setembro, contando com a participação de grupos de nove países: Portugal, China, Coreia, Brasil, Sérvia, Eslovénia, Sri-Lanka, Itália e Roménia. 

Acedendo a um convite do Ministérios da Cultura e dos Negócios Estrangeiros da Rússia, esta será a primeira vez que o decano dos grupos folclóricos algarvios, a comemorar neste ano 82 anos de existência, pisará solo russo. 

O espetáculo de gala do Festival de Moscovo decorrerá no Estate Kolomenskoye, o Museu de História localizado numa magnífica zona verde no centro da cidade, sobre o rio Moskva, que era a antiga residência de verão dos príncipes de Moscovo e, mais tarde, dos czares da Rússia. 

Para além dos diversos espetáculos nas cidades de Moscovo, Suzdal e Vladimir, o programa contempla ainda receções oficiais e visitas de carácter turístico e cultural a diversos locais emblemáticos daquelas cidades russas, incluindo o Kremlin e a Praça Vermelha. 

Esta viagem realiza-se poucos dias depois do “retumbante sucesso” da 10ª edição do Folkfaro, o maior festival internacional de folclore a sul do Tejo, organizado pelo GFF. 


‘Recortes de Olhão’ mostra a cultura da cidade

A II Semana da Cultura de Olhão acontece já no início de setembro, entre os dias 1 e 8. Trata-se de um convite para conhecer melhor Olhão nas suas múltiplas vertentes e para todas as idades. Passeio de BTT com história, avós e netos no Museu, calcorrear praças e ruelas, ouvir fábulas no jardim da Biblioteca ou contos ao luar e passear no caíque Bom Sucesso são algumas das sugestões para uma semana que se prevê intensa de repleta de conhecimentos.


Esta iniciativa intitulada ‘Recortes de Olhão’ e organizada pelo Município através da Divisão de Cultura, simboliza a despedida do verão e das férias, aproveitando a temperatura amena, tardes tranquilas, noites de lua cheia e a brisa suave com cheiro a mar. As sugestões para conhecer e/ou (re)descobrir Olhão são variadas e para toda a família, numa terra de longa história e estórias de encantar.

Serão oito dias repletos de atividades e aventura, que começa logo no dia da apresentação da programação, com música e dança, que acontece no dia 1 de setembro, às 22h00, no Cais do Caíque Bom Sucesso, junto aos Mercados de Olhão.
O segundo dia da Semana Cultural incluirá desporto, com um passeio de BTT intitulado “Caminhos com História”. Tem início às 10h00 do dia 2, junto à Igreja Matriz de Moncarapacho. A inscrição nesta iniciativa é obrigatória (para efeitos de seguro) e deve ser feita no Museu da Cidade de Olhão, através do telefone 289700103 ou email: museu@cm-olhao.pt

“Passeio com avós e netos” é o tema de dia 3 de setembro, a partir das 14h30, no Museu da Cidade. Um dos objetivos é a troca de memórias, entre as duas faixas etárias, ao longo do percurso proposto. A atividade culminará com a elaboração de puzzles dos vários brasões. O Passeio Orientado, dia 4 de setembro, às 19h00, é outra proposta da Divisão de Cultura do Município, que organiza esta iniciativa cultural, e permite passear por praças, ruas e ruelas bem como diversos pontos de interesse ao longo do percurso. Todas estas atividades são gratuitas mas carecem de inscrição prévia. A organização reserva-se o direito de anular a sua realização caso se verifiquem condições climatéricas adversas.

“Fábulas contadas no jardim da Biblioteca”, destinado ao público infanto-juvenil, acontece no dia 5 de setembro, às 10h30 e 14h30 na Biblioteca Municipal. Fábulas e jogos tradicionais conjugam-se para proporcionarem momentos de leitura e brincadeira no jardim da Biblioteca Municipal.

“Genealogista por um dia” acontece às 14h00 de 5 de setembro, na Casa Patrão Joaquim Lopes e Rua Patrão Joaquim Lopes. A atividade iniciar-se-á com um breve esclarecimento de conceitos ligados à paleografia e diplomática e à temática da genealogia. Os participantes deverão também vestir a pele de um genealogista e através dos Livros de Recenseamento da População, do concelho de Olhão, tentar encontrar algum familiar, começando assim a traçar a sua árvore genealógica. A inscrição para esta atividade deve ser feita no Arquivo Histórico ou através do número 289 700 145 (das 13h00 às 19h00).

Na noite de 6 de setembro, “Contos ao Luar” chegam ao Auditório Municipal de Olhão a partir das 21h30. Será uma noite com contos tradicionais de Olhão, contados por Patrícia Amaral, com acompanhamento musical ao som do acordeão de Paulo Machado. A entrada é livre, tal como em quase todos os outros eventos destes ‘Recortes de Olhão’.

“A praia do Olhão e a frente ribeirinha de oitocentos” é a iniciativa prevista para as 19h00 de 7 de Setembro no Parque Natural da Ria Formosa. Ao por do sol, enquadrado pela Ria, Sandra Romba (investigadora de História da Arte) convida para uma conversa sobre “A praia do Olhão e a frente ribeirinha de oitocentos”, seguindo-se um “petisco” de cozinha tradicional (inscrição obrigatória, no valor de 10,00€ no Museu da Cidade). Este é o único evento pago.

Um passeio no Caíque Bom Sucesso é mais uma das propostas desta semana cultural, que acontece no sábado, dia 8 de setembro às 10h00. Será um passeio interpretativo a bordo, com uma abordagem histórico-cultural da Ria Formosa e, dessa forma, será possível procurar entender melhor a evolução do território de Olhão. A inscrição é gratuita mas obrigatória e deve ser feita no Museu da cidade de Olhão.
E “No sábado há estórias…”, às 16h00, na Biblioteca Municipal. Os livros são todos diferentes: uns alegres, outros tristes, outros assustadores. A história preferida da família será partilhada na biblioteca nesta tarde de emoções, para crianças dos 8 aos 12 anos, acompanhados pela família - irmãos, pais, avós.

Uma semana que se prevê em cheio, com muito para aprender e desfrutar em Olhão!

Recuperação de área ardida no Algarve deve custar mais de 3,7 milhões de euros

Mais de 3,7 milhões é a estimativa de custos só da estabilização do solo e remoção do material ardido do incêndio da serra do Caldeirão. O valor é avançado num relatório elaborado pela Unidade de Defesa Florestal, do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, destinado a minimizar os efeitos da erosão com a queda das primeiras chuvas.

Populações viram arder os seus haveres enquanto os meios aguardavam por ordens para avançar

No entanto, contando com a recuperação do potencial agrícola e apoio social às famílias afectadas, os prejuízos atingirão os 12 milhões de euros no concelho de Tavira, mais 13 milhões no município de São Brás de Alportel.

O fogo, que teve início em 18 de Julho na Catraia, alastrou ao concelho vizinho de São Brás de Alportel. O presidente da Câmara de Tavira, Jorge Botelho, lembra que o levantamento feito pelas entidades responsáveis pela área das florestas "fica-se apenas pela estabilização do solo, para evitar que se dê contaminação dos aquíferos, logo que se verifiquem as primeiras chuvadas". 

Além dos prejuízos agrícolas, o incêndio, que queimou 24.843 hectares de mato, sobreiros e pinheiro-manso, "afectou ainda cerca de 17% da zona especial de conservação e zona de protecção especial do Caldeirão", registando-se ainda um "impacto negativo considerável na actividade apícola".

A nível social, o Governo disponibilizou 600 mil euros, a dividir pelos dois concelhos atingidos pelo incêndio, para recuperar as casas ardidas e garantir as necessidades básicas das famílias mais carenciadas. O apoio, de 400 euros por pessoa do agregado familiar, em prestação única, começou a ser pago. As candidaturas estão abertas até 2 de Outubro.

Quanto aos milhões que serão necessários para repor, dentro do possível, o que foi destruído, Jorge Botelho aguarda pelo cumprimento das promessas governamentais. "Espero que haja a possibilidade de apresentar, em breve, candidaturas no sector agrícola, com 75% a fundo perdido, através do Proder [Programa de Desenvolvimento Rural]". As pessoas que viram desaparecer pomares, motores de rega e árvores de cultivo, sublinha, "têm expectativas de que serão ajudadas".

O relatório sobre a avaliação dos impactos nos espaços florestais, diz o autarca, refere valores "abaixo dos preços de mercado". A título de exemplo, exemplifica, cinco euros para corte e remoção de cada árvore ardida parece-lhe "baixo". Situação idêntica verifica-se na limpeza de valetas: 15 mil euros para intervir em 100 quilómetros de rede viária está abaixo do que a câmara tem pago para esse tipo de trabalho. Porém, interpreta os valores como "referência" e "uma estimativa".

O perigo de contaminação das linhas de água surge como uma das primeiras preocupações ambientais. O fogo afectou a bacia hidrográfica do rio Gilão, que desagua na ria Formosa, e as sub-bacias da Foupana e de Odeleite, afluentes do rio Guadiana. Os efeitos dos primeiros chuvas, salienta o relatório do director da Unidade de Defesa da Floresta, Rui Almeida, "poderão provocar a erosão dos solos, arrastando-os e transportando-os para as zonas de vales e linhas de água, assoreando campos e poços".

Proteger origem da água

A área afectada pelo incêndio, acrescenta o documento, apresenta "condições propícias à erosão por ravinamento". Por outro lado, o facto de a albufeira de Odeleite ser a origem do abastecimento público de água do Sotavento algarvio, "exige uma atenção redobrada" nas acções a desenvolver "como forma de salvaguardar a origem da água". O fogo atingiu também a zona de protecção especial da serra do Caldeirão, que abriga algumas espécies protegidas e em risco, destacando-se o lince ibérico, a águia de Bonelli, águia cobreira e o bufo real. Ao nível do património cinegético, o incêndio atingiu 33 zonas de caça.

No âmbito do Proder deverão ser apoiados projectos, entre 50 a 100%, para "estabilização de emergência"; "restabelecimento do potencial silvícola"; "controlo de pragas e doenças em espécies florestais", e "controlo de espécies invasoras".

Fonte: Público

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

11.ª Feira dos Frutos Secos anima Alcantarilha

A 11.ª edição da Feira dos Frutos Secos, em Alcantarilha, concelho de Silves, abre portas na próxima sexta-feira, 31, às 18:30 horas, num certame inspirado nos produtos agrícolas tradicionais da região, como a amêndoa, o figo ou a alfarroba. 


Nestes três dias do evento organizado pela junta de freguesia de Alcantarilha, com o apoio da autarquia silvense, o largo da junta de freguesia da localidade irá encher-se com as cores, aromas e sabores da gastronomia e da doçaria, fatores estes associados também à vertente do artesanato. 

Todas as noites são temáticas, sendo a noite de 31 de agosto dedicada às coletividades, a de 1 de setembro ao artesão e a de 2 de setembro à doçaria. 

Ao nível musical o certame terá no seu primeiro dia a acordeonista e vocalista Telma Santos e no segundo o Grupo de Cantares Quebra-Mar. No dia 2 de setembro, dia de encerramento, sobem ao palco o Duo Noémia Duarte e António Cardoso e o fadista Afonso Dias. 

Fonte: Região Sul

ARTECHIQUE - Feira de Artesanato e Sabores de Monchique mostra o melhor da serra algarvia

A XVIII ARTECHIQUE – Feira de Artesanato e Sabores de Monchique, que terá lugar entre sexta-feira e domingo, dias 31 de agosto a 2 de setembro, vai oferecer aos visitantes a oportunidade de conhecerem o que de melhor se faz na serra algarvia. 


Este certame, promovido pela junta de freguesia local, mantém toda a genuinidade e tradição do artesanato local, onde não faltam os cestos de vime, as cadeiras de tesoura, as colheres de pau, a tecelagem, as bolsinhas de retalhos, as rendas antigas, os cintos e sapatos de couro. 

À tradição junta-se, agora, um artesanato mais recente que integra jovens artesãos e novas áreas de intervenção, numa produção exclusivamente monchiquense, que vêm conferir à ARTECHIQUE “um caráter único no panorama algarvio”. 

Os sabores tipicamente monchiquenses (o presunto, os enchidos, a doçaria, o medronho, a melosa e o mel) associam-se ao artesanato e proporcionam aos visitantes a possibilidade de degustarem o que de melhor se produz na serra algarvia. 

O último dia desta feira, no domingo, coincidirá também com mais um Encontro de Acordeonistas, que este ano celebra as suas bodas de prata. Este convívio de animação popular terá lugar no Largo dos Chorões, estando o seu início previsto para as 16:00 horas. 

Nos dias 31 de agosto e 1 de setembro, a feira decorre entre as 10:00 e as 23:00, e no dia 2 de setembro, entre as 10:00 e as 20:00. Mais informações sobre o programa de animação pode ser consultada em www.jf-monchique.pt

Fonte: Região Sul

Praias do nosso Algarve - Praia do Zavial e Praia das Furnas

A praia surge encaixada na foz de uma ribeira temporária, cuja vegetação ribeirinha e pequenos seixos chegam ao areal. Na margem nascente existe um pequeno bosque de eucaliptos com matos de barrocal no sub-coberto, por vezes utilizado para campismo selvagem. 


O areal aqui é largo, com uma pequena duna onde se observam plantas como o estorno, estendendo-se amplamente para Leste, já que a poente um enorme esporão rochoso delimita a praia. Exuberantes matos endémicos de zimbro e vegetação adaptada à salsugem revestem esta arriba calcária. O Zavial é muito procurado por surfistas, sendo o troço nascente da praia mais tranquilo, com arribas muito recortadas e formações rochosas a que localmente se chamam furnas. É possível aceder a este troço da praia caminhando pelo areal ou pelo topo da arriba. Nas imediações do Zavial podem ser visitadas as ruínas de uma fortificação do séc. XVII. Para nascente do Zavial surge a pequena Praia das Furnas, que deve o seu nome ao recorte da arriba, intensamente erosionada pelos elementos e onde se formaram as furnas: enormes sapas (cavidades escavadas na base da arriba) e grutas. Os matos litorais estendem-se até ao areal, onde também desagua uma pequena ribeira. É uma praia muito tranquila.


Acesso: Viário alcatroado a partir da povoação da Raposeira (EN 125), seguindo na direcção do Zavial ou da Ingrina, durante cerca de 5 km. Estacionamento não ordenado, com equipamentos de apoio (restaurante e WC) e vigilância na época balnear. O acesso à Praia das Furnas faz-se por um caminho de terra batida a partir da povoação da Figueira (cerca de 2 Km), não possui estacionamento ordenado nem equipamento de apoio ou vigilância. Orientação: sudoeste (Zavial e Furnas).

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Proposta de fusão coloca em pé de guerra três municípios do Algarve

Numa iniciativa pioneira e inesperada, a Assembleia Municipal de Vila Real de Santo António aprovou segunda-feira uma recomendação ao Governo que visa a fusão do município com os concelhos de Castro Marim e Alcoutim. Mas estes dois municípios, de maioria PSD, tal como Vila Real, consideraram a proposta "absurda", "uma insensatez" e "uma brincadeira de mau gosto". 

Câmara de Vila Real de Sto. António defende a fusão com os outros concelhos do Baixo Guadiana

A proposta socialista colheu os votos favoráveis da maioria PSD na câmara, mas para que a fusão dos três concelhos seja consumada é necessária aprovação popular em referendo. As reacções não tardaram. 

Para o autarca de Alcoutim, Francisco Amaral (PSD), "não faz sentido nenhum estar a querer associar estes três concelhos", classificando a proposta como uma "falta de respeito para com munícipes dos três concelhos, que não foram ouvidos". A posição de Castro Marim não ficou por menos. "É uma insensatez monstruosa e uma falta de respeito e de consideração pelas instituições dos três municípios que brada aos céus", disse à Lusa o presidente da câmara, José Estevens. "Uma brincadeira de muito mais gosto", conclui.

A proposta transcende os parâmetros acordados para a reforma autárquica em curso, que apenas contempla a obrigatoriedade de reduzir freguesias, no entanto, premeia os municípios que optem pela fusão. Segundo o artigo 16.º da Lei 22/2012, "os municípios criados por fusão têm tratamento preferencial no acesso a linhas de crédito asseguradas pelo Estado e no apoio a projectos nos domínios do empreendedorismo, da inovação social e da promoção da coesão territorial". As novas autarquias podem contar ainda com uma majoração de 15% no Fundo de Garantia Municipal.

Reforma local avança

Estas medidas estão englobadas na reforma da administração local em curso e que, segundo o secretário de Estado da Administração Local, Paulo Júlio, "está a chegar ao fim". Paulo Júlio disse ontem à agência Lusa que o Presidente da República já promulgou três diplomas relativos à reforma: as leis que prevêem a redução do número de dirigentes e das empresas municipais, bem como o plano de apoio à economia local.

"A necessidade de diminuir o endividamento" das autarquias e criar "um poder local sustentável" norteia o executivo, afirmou Paulo Júlio. A diminuição de dirigentes tem por objectivo a "simplificação e modernização" da organização municipal, atestou, defendendo que as empresas municipais que não são sustentáveis devem ser extintas e a sua função assegurada por outra empresa do sector público. 

A fase adiantada da reforma é visível no Programa de Apoio à Economia Local, ontem publicado no Diário da República e que visa o pagamento das dívidas de curto prazos das autarquias, colocando à sua disposição uma linha de crédito de mil milhões de euros. Para concluir a legislação relativa à reforma local ficam a faltar a lei eleitoral autárquica - que aguarda consenso parlamentar para sair do impasse em que se encontra - e a lei das finanças locais, a cargo do Ministério das Finanças, que Paulo Júlio garante estar para breve. 

Do que o governante não falou foi do processo de fusão, agregação e extinção de freguesias, previsto no memorando da troika para reduzir entre 1000 e 1400 as freguesias existentes. Quando foi aprovado o diploma, em Fevereiro, o ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, previa que o processo estivesse concluído em Julho. Mas até agora nenhum concelho conseguiu concluir o processo.

Fonte: Público

Gastronomia Algarvia - Dom Rodrigo

Ingredientes:
6 doces
250 grs de fios de ovos ;
50 grs de miolo de amêndoa ralada ;
250 grs de açúcar ;
meio dl de água ;
4 gemas ;
canela q.b.


Confecção:
Num tacho coloque 200 grs de açúcar coberto de água e leve ao lume até formar ponto de pérola (1).
Retire do lume e misture a amêndoa. Deixe que fique morno, junte as gemas e leve novamente ao lume, mexendo até engrossar. Polvilhe com um pouco de canela.
Com o restante açúcar e água faça uma calda em ponto de fio.
Numa frigideira coloca-se a calda e leva-se ao lume. Quando ferver, deitam-se os fios de ovos e, sobre estes, mistura feita anteriormente com o açúcar, amêndoa e as gemas.
Com a ajuda de duas espátulas, enrolam-se os fios de ovos em torno do recheio, envolvendo-o completamente.
Deixe alourar e retire da frigideira.
Corte 6 quadrados de folha de estanho prateado ou colorido.
Separe a preparação em quantidades iguais pelos 6 quadrados de estanho, una as quatro pontas de cada quadrado e enrole-as.

(1) Encontra-se este ponto juntando-se o açúcar a a água e deixando ferver 2 minutos.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Bilhetes baratos para ver o Olhanense x Fc Porto no Estádio Algarve

Em virtude do jogo entre Olhanense e FC Porto, agendado para o próximo sábado, às 20.30 horas, se realizar no Estádio Algarve, uma vez que o relvado do Estádio José Arcanjo, em Olhão, sofre melhoramentos, a Direção dos rubronegros, presidida por Isidoro Sousa, decidiu colocar os bilhetes à venda a preços acessíveis

Estádio do Algarve (foto ASF)

Como forma de encher o moderno palco, cativando os amantes de futebol a apoiarem as respetivas equipas, o bilhete mais caro para o público em geral custa 15 euros. Os sócios do Olhanense desembolsarão entre 5 e 7.50 euros.

De referir, ao contrário do que estava estipulado, muito dificilmente os associados terão autocarros disponíveis (gratuitos) para os transportar de Olhão até ao Estádio Algarve, visto que nesta altura do ano torna-se complicado encontrar autocarros disponíveis para fazer face às necessidades dos rubronegros.

No que diz respeito à preparação da equipa, Sérgio Conceição ministra esta tarde, na Colina Verde, o primeiro treino tendo em vista a receção ao FC Porto.

Fonte: A Bola

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Anúncios de Emprego no nosso Algarve


Ofertas recentes de emprego no Algarve publicadas no site Net Empregos



Zona: Faro Empresa: Apolonia Supermercados
Data: 27-8-2012 Categoria: Lojas / Comércio / Balcão



Zona: Faro Empresa: Movijovem
Data: 27-8-2012 Categoria: Hotelaria / Turismo



Zona: Faro Empresa: Randstad - Recursos Humanos SA
Data: 27-8-2012 Categoria: Restauração / Bares



Zona: Faro Empresa: Bravemind
Data: 27-8-2012 Categoria: Restauração / Bares



Zona: Faro Empresa: Matgarve, Lda
Data: 27-8-2012 Categoria: Secretariado / Administração



Zona: Faro Empresa: Rafael Farias
Data: 27-8-2012 Categoria: Publicidade / Marketing



Zona: Faro Empresa: SIG PORTUGAL
Data: 27-8-2012 Categoria: Banca / Seguros / Serviços Financeiros



Zona: Faro Empresa: Talenter
Data: 27-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: UNIVERSO DOS SABORES
Data: 26-8-2012 Categoria: Hotelaria / Turismo



Zona: Faro Empresa: Pro Auge
Data: 26-8-2012 Categoria: Serviços Técnicos



Zona: ( Todas as Zonas ) Empresa: Editora Portuguesa
Data: 26-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: PROJECTOS TELECOMUNICAÇÕES
Data: 24-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Projectos Telecomunicações
Data: 24-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: MoreCare - Serviços de Saúde
Data: 24-8-2012 Categoria: Saúde / Medicina / Enfermagem



Zona: Faro Empresa: MoreCare - Serviços de Saúde
Data: 24-8-2012 Categoria: Saúde / Medicina / Enfermagem



Zona: Faro Empresa: MoreCare - Serviços de Saúde
Data: 24-8-2012 Categoria: Saúde / Medicina / Enfermagem



Zona: Faro Empresa: Promoluz
Data: 24-8-2012 Categoria: Gestão de Empresas / Economia



Zona: Faro Empresa: Vertente Humana - Coimbra
Data: 24-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Atena Recursos Humanos
Data: 24-8-2012 Categoria: Restauração / Bares



Zona: Faro Empresa: Atena Recursos Humanos
Data: 24-8-2012 Categoria: Restauração / Bares



Zona: Faro Empresa: Kelly Services
Data: 24-8-2012 Categoria: Conservação / Manutenção / Técnica



Zona: Faro Empresa: JR Marketing Solutions
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: PROJECTOS TELECOMUNICAÇÕES
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Projectos Telecomunicações
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Célula Viva
Data: 23-8-2012 Categoria: Educação / Formação



Zona: Faro Empresa: Apolonia Supermercados
Data: 23-8-2012 Categoria: Lojas / Comércio / Balcão



Zona: Lisboa Empresa: BY WASH
Data: 23-8-2012 Categoria: Transportes / Logística



Zona: ( Todas as Zonas ) Empresa: Editora Portuguesa
Data: 23-8-2012 Categoria: Publicidade / Marketing



Zona: Faro Empresa: Multipessoal
Data: 23-8-2012 Categoria: Lojas / Comércio / Balcão



Zona: Faro Empresa: capacidade natural, lda
Data: 23-8-2012 Categoria: Transportes / Logística



Zona: Setubal Empresa: Zon
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Lisboa Empresa: Zon
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Zon
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Setubal Empresa: Zon
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Braga Empresa: Zon
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Porto Empresa: Zon
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Leiria Empresa: Zon
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Lisboa Empresa: Randstad Recursos Humanos
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Adecco - Recursos Humanos
Data: 23-8-2012 Categoria: Informática ( Técnico de Hardware )



Zona: Faro Empresa: Talenter
Data: 23-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Versiges,Lda
Data: 22-8-2012 Categoria: Beleza / Moda / Bem Estar



Zona: ( Todas as Zonas ) Empresa: Xeque Marketing
Data: 22-8-2012 Categoria: Publicidade / Marketing



Zona: Faro Empresa: Competir - Formação e Serviços, SA
Data: 22-8-2012 Categoria: Educação / Formação



Zona: Faro Empresa: brane lda
Data: 22-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: brane lda
Data: 22-8-2012 Categoria: Lojas / Comércio / Balcão



Zona: ( Todas as Zonas ) Empresa: brane lda
Data: 22-8-2012 Categoria: Lojas / Comércio / Balcão



Zona: ( Todas as Zonas ) Empresa: brane lda
Data: 22-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Randstad - Recursos Humanos SA
Data: 21-8-2012 Categoria: Restauração / Bares



Zona: Faro Empresa: Ferramenta Vitalicia
Data: 21-8-2012 Categoria: Informática ( Programação )



Zona: Faro Empresa: Matgarve, Lda
Data: 21-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Matgarve, Lda
Data: 21-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Grupo Brodheim
Data: 21-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas



Zona: Faro Empresa: Vertente Humana - Coimbra
Data: 21-8-2012 Categoria: Comercial / Vendas

Nove feridos após disparos à porta de discoteca em Vilamoura

Nove pessoas ficaram feridas sem gravidade ao início da manhã desta segunda-feira quando um indivíduo disparou sobre clientes da discoteca do Casino de Vilamoura, no Algarve, com os quais terá estado envolvido numa rixa dentro deste espaço de diversão.


Ao que o PÚBLICO apurou junto de fonte policial, o incidente ocorreu pouco depois das 7h, à porta da discoteca Black Jack, que funciona no edifício do Casino de Vilamoura, em Quarteira, no concelho de Loulé.

Terá havido uma rixa no interior do espaço de diversão nocturna. À saída, um indivíduo que estaria dentro de um veículo nas imediações aproximou-se do parque de táxis que fica junto ao casino. Munido de uma caçadeira, efectuou dois disparos em direcção aos utentes da discoteca que terão estado envolvidos nos desacatos.

Segundo a mesma fonte, os disparos provocaram quatro feridos ligeiros e outras cinco pessoas também ficaram feridas quando tentavam proteger-se. No entanto, fonte do INEM disse à Lusa que apenas três das vítimas foram atingidas pelos projécteis nos membros inferiores, e que as restantes seis ficaram feridas durante a fuga.

Duas pessoas receberam tratamento no Serviço de Urgência Básica de Loulé e as restantes foram transportados para o Hospital de Faro. 

O autor dos disparos pôs-se imediatamente em fuga no veículo onde seguia como pendura. O caso está agora entregue à Polícia Judiciária.


Fonte:  Público

domingo, 26 de agosto de 2012

Terras do nosso Algarve - S. Marcos da Serra

Recolhida na sua ruralidade, a aldeia de S. Marcos da Serra oferece um esplendoroso panorama, onde se destacam os sobreiros, os medronheiros, e a azinheira. O ar está carregado do cheiro do rosmaninho, da urze e da esteva. A paisagem é o seu maior valor patrimonial, misturando os verdes das árvores e da vegetação selvagem, nas encostas que enquadram a brancura da aldeia tipicamente serrana.



A aldeia desenvolve-se em torno da Praça Central, onde se localiza a Igreja matriz, segundo dois eixos. Trata-se de um conjunto ainda harmonioso, com a presença de casas de tipologia rural, de um piso, construídas em taipa e com tecto de caniço, ou então com dois pisos, acompanhando as ondulações do terreno.


Localização

Situada numa colina, entre outras que formam a Serra de Espinhaço de Cão, S. Marcos da Serra é a primeira localidade do Algarve, bem na fronteira com o Alentejo.
Ali ao lado, passa o comboio, e a IP1.
Basta tomar o desvio devidamente assinalado na IP1 e percorrer algumas centenas de metros para nos encontrarmos no centro da aldeia.


População

Em São Marcos da Serra vivem 1510 pessoas de acordo com o Censo de 2001. O isolamento levou ao envelhecimento da população. Todavia, nos últimos anos, alguns jovens, em busca de um estilo de vida mais próximo da terra e dos valores naturais têm-se fixado na freguesia.


Actividades Principais

A economia de base rural, a sucumbir perante a instalada crise da agricultura, provocou o êxodo da população mais jovem, que procura o trabalho e o bem-estar noutros locais. Embora não seja fácil inverter esta tendência, a presença de “novos rurais” que a preservação ambiental do sítio atrai, fez surgir novas actividades produtivas, como o fabrico do pão, dos enchidos e da doçaria.
O património natural é um dos recursos com mais futuro, dada a riqueza da sua fauna, da sua flora silvestre, dos produtos mais castiços da região – o medronho e o mel – e das potencialidades que se lhe oferecem através do turismo rural.
A cestaria, em especial mobiliário de cana e também alguns trabalhos de tecelagem, são os produtos artesanais mais procurados.
As zonas circundantes, florestadas e de mato, propiciam a produção de mel e medronho e de produtos corelacionados, como por exemplo os bolos de mel da doçaria tradicional.
Existe ainda uma produção florestal intensiva de pinheiro marítimo e eucalipto, em socalcos, nas encostas.
A azinheiras, de porte extraordinariamente grande, têm geralmente copas achatadas e são limpas periodicamente para estimular a produção de bolota. Da lenha resultante, faz-se carvão.


História

S. Marcos da Serra é sede de freguesia desde a implantação da igreja de S. Marcos Evangelista no ponto mais alto da povoação, conhecido por “o Castelo” e rodeado por paredões de defesa e de sustentação. O antigo templo, que remonta ao séc. XVII, possui linhas simples, mas contém interessantes imagens religiosas. “Remonta esta por certo ao séc. XVI, época da sua curiosa e bela pia baptismal. Repare-se ainda no singelo mas representativo altar barroco da sua capela--mor.”



Património Cultural

Implantada bem no centro de São Marcos da Serra, no seu local mais elevado e na artéria pública que presumivelmente conduzia ao castelo, existe uma chaminé tradicional, parte integrante de uma modesta casa privada de planta rectangular e fachada típica tripartida, com uma porta ladeada por duas janelas.
Trata-se de um elemento sem paralelo em todo o Algarve, não apenas pelas suas exageradas dimensões, mas também pelo facto de ter sido datada do século XVII. Quanto ao primeiro destes aspectos – a imponência da chaminé face à ruralidade que caracteriza a casa – explica-se como uma clara marca de poder do proprietário, que patrocinou a sua construção, facto ainda realçado pela localização do imóvel no ponto mais elevado da aldeia e, neste sentido, visível a longa distância. A imponência e rendilhado das chaminés algarvias configuraram, à época, o elemento mais visível do prestígio sócio – económico dos seus proprietários.
Embora a datação secular desta chaminé suscite dúvidas, uma vez que as tipologias de chaminés não estão definidas numa perspectiva diacrónica e esta possui a data de 1909 numa cartela, dados que deverão motivar alguma cautela e suscitar a investigação, a casa foi recentemente restaurada, mantendo o essencial da sua traça rural característica,
Ainda que prejudicada pelas construções situadas na envolvência, que não respeitaram as antigas volumetrias, é a tradicional linha urbanística que persiste.



Património Natural

A aldeia está alcandorada numa colina com vários cabeços em redor e circundada pela ribeira do Odelouca, que aí toma o nome de Ribeira de S. Marcos. As suas casas serranas, algumas com bonitas chaminés rendilhadas, dispõem-se em degraus, com ruas muito íngremes subindo para o largo da Igreja Matriz. Todas as casas são caiadas de branco, em contraste com o fundo verde – ocre da terra. As hortas limítrofes formam espaços muito pitorescos, anunciando a existência da Ribeira do Odelouca e dos seus afluentes Saliente-se a diversidade da flora e da fauna locais. Com sorte, os observadores de aves poderão descobrir, entre muitas outras espécies nidificantes, o o gavião, várias águias, o pombo torcaz, a cotovia, o melro, o rouxinol e o pintassilgo.


Tradições

Este território que separa as planícies alentejanas do ameno litoral sul do país, tem uma paisagem que no século XVI foi descrita, por frei João de São José na sua Corografia do Reino do Algarve, com um realismo surpreendente, e por comparação com o Oceano como um «mar muito empolado, com grande tormenta, onde não se vê cousa chã ou igual senão umas ondas altas e outras maiores junto delas, ficando uns grandes baixios saídos entre umas e outras...». Ainda hoje, a serrania cobre-se de estevas e tojo. Aqui e além, hortinhas verdejantes, leiras de milho e centeio mantêm-se por teimosia de braços que não sabem estar parados.
O oráculo da aldeia, homenageado na Igreja Matriz, admite-se que tenha sido o autor do Segundo Evangelho da Bíblia. Marcos e Maria viviam em Jerusalém e a sua casa servia de local de reunião dos primeiros cristãos. Discípulo de São Paulo, esteve ao seu lado quando este ficou preso em Roma. Foi também discípulo de São Pedro. E os críticos modernos afirmam que o evangelho de Marcos foi escrito por volta dos anos 60/70 e dirigido aos cristãos de Roma.
É certamente referindo-se ao provérbio popular “Por S. Marcos,(festejado a 25 de Abril) bogas e sáveis nos barcos” que surgiram estas quadras populares de Lúcia Maria Coelho Guerreiro.

"Nesta terra esquecida
É tudo à grande e à francesa
Os peixes são como burros
Será história ou é certeza?

Boa gente não falta
Nesta terra serrana
Ir à pesca, só com tresmalho
Nem pensar em ir com cana"


Produtos Locais

A valorização crescente dos produtos naturais e que conservam os bons sabores tradicionais leva a que algumas das actividades artesanais ressurjam. Com a cana e o vime que crescem nas margens das ribeiras próximas, os artesãos dedicam-se à cestaria, tanto de pequenas peças como de mobiliário.
Os enchidos tradicionais, oriundos do porco preto, alimentado pela bolota dos azinhais e a doçaria em que o mel surge a dourar as receitas são outros dos produtos que apetece provar. Também o pão, cozido em forno de lenha, surge como uma tentação a que é bom ceder.


Gastronomia

A excelência dos produtos serranos, tantas vezes transitando directamente da horta ou do fumeiro para a panela, começa a transformar a gastronomia num grande atractivo para os visitantes. A caça também fornece deliciosas receitas.


quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Hóspedes com "tudo incluído" também podem jantar fora sem levar a carteira

Hoteleiros do Algarve estão a apostar em pacotes de "tudo incluído" mas adaptados a programas que visam quebrar a rotina do cliente que não gosta de se sentir "prisioneiro" no hotel. A proposta de "jantar fora" sem precisar de levar carteira foi posta em prática, no ano passado, em duas unidades do grupo Luna & Resorts, no Alvor, e alargou-se este Verão a Albufeira, mas em breve poderá chegar aos restaurantes da zona do barrocal e da serra. 


Os orçamentos para férias emagreceram e os empresários "moldaram-se" às leis do mercado, que pretende encontrar destinos acessíveis, dentro de certos padrões de qualidade. Joaquim Canastro, director comercial do grupo Luna - com 12 unidades hoteleiras na região algarvia -, apostou na ideia de jantar fora, em restaurantes à escolha do cliente, sem se pagar mais por isso. 

A receptividade que a iniciativa obteve no Alvor, acrescenta, levou-o a alargar a proposta a Albufeira. "Resultou em pleno", garante o responsável hoteleiro, adiantando que pretende desenvolver outras parcerias no sector do turismo para contrariar a ideia de que o sistema de "tudo incluído" implica ficar confinado a um resort, sem ter grande espaço de manobra para sair de lá se não se estiver disposto a pagar mais do que o valor previamente acordado.

Joaquim Canastro criou um voucher que permite aos clientes escolherem um restaurante fora do hotel. Em Albufeira, dispõem de um leque de sete restaurantes: quatro de especialidade (espanhol, chinês, italiano e indiano); dois tipicamente portugueses e um de comida internacional. O prato mais a entrada ficam por um valor entre os 12 e os 14 euros. As bebidas são pagas à parte. Mas, caso o cliente pretenda escolher um qualquer outro prato da ementa, fora do estabelecido, também o poderá fazer mediante um pagamento extra na ordem dos cinco euros. A boa aceitação da ideia, segundo garante, "incentiva a alargar a proposta aos restaurantes do interior, na zona do barrocal e serrana".

"As pessoas, cada vez mais, definem um orçamento para as férias, e não querem ter surpresas nos gastos", justifica Joaquim Canastro, que defende a necessidade de se criarem sinergias entre os vários parceiros do sector.

Conceito a ser trabalhado

"É o conceito que o Algarve tem de trabalhar", salienta, por seu lado, o vice-presidente da Associação dos Industriais de Hotelaria e Similares do Algarve, Vítor Faria. Os hotéis, nota, "talvez não tenham a possibilidade de oferecer, por si só, uma tão grande diversidade de oferta ao nível da restauração". Na Quinta do Lago, por exemplo, existe uma outra prática. Um famoso restaurante de praia da zona tem um acordo com o hotel e o cliente não precisa de se preocupar com o pagamento. A conta é debitada juntamente com o aluguer do quarto.

Os grandes operadores turísticos, afirma Joaquim Canastro, "moldam o mercado, e o Algarve tem de seguir a corrente dominante". Por isso, o também administrador do Hotel Califórnia entende que a nova forma de comercializar quartos passa pelo pacote turístico com "tudo incluído", mas levando os clientes a conhecer outros espaços, para além do hotel em que estão hospedados. 

Quem discorda do sistema de all inclusive é José Carlos Leandro, proprietário do hotel Alísios, em Albufeira, por considerar que copiar o modelo - a imitar os resorts das Caraíbas, mas também já praticado por unidades algarvias - comporta riscos. "Não pago ordenados com taxas de ocupação", advertiu o hoteleiro, chamando a atenção para a descapitalização de algumas empresas. A prosseguir por este caminho, alertou, a região envereda pela massificação.

O hotel Vila Galé Náutico, em Armação de Pêra, apostou este ano no sistema all inclusive, com bons resultados. "Mantivemos a qualidade", sublinha o director Carlos Cabrita, classificando de "muito positiva" a adesão dos clientes.

"Temos de dar corda à imaginação", sustenta Joaquim Canastro, para quem não é a oferta do sistema assente no uso de uma pulseira de uso exclusivo num empreendimento que conduz ao turismo massificado: "A massificação fez-se pela construção civil. As camas estão aí para serem alugadas". O corte do financiamento bancário, só em Albufeira, deixou centenas de camas turísticas por concluir. Uma das zonas da envolvente à marina está transformada numa "muralha" de cimento à espera de compradores.

Fonte: Público

Urgências de Lagos e Loulé afinal vão continuar abertas

A garantia é do ministro da Saúde que põe de lado a recomendação de um relatório a propor o fecho das duas unidades.


O ministro da Saúde assegurou hoje, em Faro, que as unidades de urgência básica de Loulé e Lagos não serão fechadas, apesar de ter recebido um relatório técnico a propor o encerramento.

"Apesar da recomendação de um estudo técnico, não temos intenção de fazer alterações nessas duas unidades", enunciou Paulo Macedo aos jornalistas, à margem de uma visita de trabalho que efetuou hoje à tarde ao Hospital de Faro.

O relatório da Comissão de Reavaliação da Rede Nacional de Emergência e Urgência previa o fecho dos Serviços de Urgência Básica (SUB) localizados em Lagos e em Loulé.

Em julho, a proposta mereceu duras críticas do deputado social-democrata Mendes Bota que afirmou que, caso o Governo avançasse, levaria o ministro da Saúde ao terreno.

"Convidá-lo-ei a fazer comigo o percurso de várias aldeias do Ameixial ou de Salir [Loulé] para verificar como não é possível alguém ser transportado até Faro em menos de uma hora", disse na altura Mendes Bota à agência Lusa.

Também o PS/Algarve alertou hoje que o possível encerramento dos serviços de urgência de Lagos e Loulé provocaria a destruição da rede de saúde do Algarve e teria fortes repercussões na segurança e imagem da região.

"O eventual encerramento dos SUB de Lagos e Loulé provocará a destruição da rede do Algarve, que o próprio documento reconhece como única, com impactos nefastos para a estratégia de desenvolvimento da região e populações, bem como uma sobrecarga para os serviços que se propõem como alternativa", sustentavam os socialistas algarvios.

Além de Lagos e Loulé, a lista da Comissão de Reavaliação da Rede Nacional de Emergência e Urgência inclui serviços de urgência em Valongo, Oliveira de Azeméis, Idanha-a-Nova, Tomar, Montemor-o-Novo, Estremoz, Serpa, Macedo de Cavaleiros, Fafe, Santo Tirso, Peniche, Agualva-Cacém, Montijo e Lisboa (Hospital Curry Cabral, cujo encerramento já se efetivou).

Praias do nosso Algarve - Praia da Arrifana

Esta praia nasce numa bonita enseada em forma de concha, abrigada da fria nortada e das ondulações de norte, onde existe um núcleo piscatório. O areal é comprido mas estreito e encontra-se marginado por altaneiras arribas de tom negro, com destaque para a Pedra da Agulha, um leixão com uma forma particular, que se tornou um ícone da costa sudoeste.


Existem boas condições para a prática de mergulho no extremo norte da praia, sendo também esta uma das praias de eleição para a prática do surf e bodyboard. A vista panorâmica da Fortaleza da Arrifana, actualmente em ruínas, é deslumbrante. Mais a norte, na Ponta da Atalaia, famosa pelos seus percebes, existem vestígios de um Ribat muçulmano, um convento-fortaleza de grande valor arqueológico.


Nota: O acesso pedonal à praia é algo íngreme.

Acesso: Viário alcatroado a partir da entrada sul de Aljezur (EN 120), seguindo no sentido da Arrifana, que se situa a cerca de 9 km. Não é possível estacionar junto à praia, apenas deixar passageiros, o estacionamento processa-se no topo da arriba. Equipamentos de apoio (restaurante e WC) e vigilância durante a época balnear. Orientação: sudoeste.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Gastronomia Algarvia - Amêijoas na Cataplana

Ingredientes:
Para 4 pessoas

1,5 kg de amêijoas ;
5 cls de azeite ;
300 grs de tomates frescos ;
2 dentes de alho ;
150 grs de cebolas ;
100 grs de chouriço ;
60 grs de presunto ;
1 dl de vinho branco seco ;
1 folha de louro ;
1 ramo de salsa ;
pimenta q.b. ;
sal q.b.


Confecção:
Lave bem as amêijoas em água fria. Cubra-as com água salgada, ou, na falta desta, utilize água e sal, algumas horas antes da sua confecção.
Descasque a cebola e pique grosseiramente. Descasque, também, o alho e pique bem fino.
Leve um tacho ao lume com o azeite. Junte o alho, a cebola e a folha de louro. Adicione o ramo de salsa. Deixe refogar.
Junte o vinho branco e deixe reduzir (apurar).
Entretanto, corte o presunto em pedaços peuqenos e ponha a demolhar em água fria. Corte, também, o chouriço em meias luas. Retire os pés aos tomates, escalde estes em água a ferver e limpe de peles e sementes. Corte-os em dados pequenos e ponha-os no tacho.
Junte igualmente o presunto e o chouriço.
Deixe estufar tudo durante 5 a 10 minutos.
Retire o ramo de salsa e a folha de louro. Tire as amêijoas da água salgada e lave novamente em água fria.
Leve uma cataplana ao lume e ponha uma camada do conteúdo do tacho. Sobre esta camada coloque as amêijoas e cubra com o restante conteúdo do tacho.
Tape a cataplana e leve a lume não muito forte.
Quando passarem 5 minutos volte a cataplana e deixe ao lume mais 10 a 12 minutos para que as amêijoas abram.

Conselho: Utilize amêijoas grandes e a cataplana só deve ser aberta em presença de quem a vai comer.