sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Águas do Algarve fazem obras junto à Barragem de Odelouca para repor acesso a duas povoações

A empresa Águas do Algarve SA lançou o concurso público «Adaptação do Caminho do Porto da Figueira à Cota da Albufeira da Barragem de Odelouca – Ponte da Linha Férrea e Aqueduto de Linha de Água e Trabalhos Complementares», com o valor base de 130.000 euros.


A obra destina-se a acabar com o isolamento a que as populações de Porto da Figueira e Vale Grande, na freguesia de São Marcos da Serra, foram votadas aquando da conclusão da barragem e da consequente subida do nível das águas da Ribeira de Odelouca.

Segundo as Águas do Algarve, a empreitada tem como objetivo adaptar o caminho do Porto da Figueira à cota da albufeira da Barragem de Odelouca, nas zonas da Ponte da Linha férrea e aqueduto de linha de água, a pavimentação da EM 267 e o encaminhamento de águas pluviais para a linha de água existente.

A empresa recorda que, com a conclusão da Barragem de Odelouca e a subida do nível da ribeira, o acesso anteriormente utilizado para o Porto da Figueira e Vale Grande ficou submerso, exigindo que as populações dessas duas localidades «tenham que percorrer uma maior distância para se deslocar à sede de freguesia».

«De forma a minimizar tal situação e de modo a ir de encontro às pretensões da população, encetou a Águas do Algarve SA um conjunto de estudos de visam a execução da subida da cota do caminho de acesso para a cota 100,50, assim como o murete e aqueduto da linha de água existente e confinantes com a linha férrea», acrescenta a empresa.

Foi também contemplada a reabilitação de uma extensão de 2000 metros da EM267, como «medida de compensação da degradação» realizada pelas empreitadas executadas pela Águas do Algarve, nomeadamente, as empreitadas “Adaptação e Proteção da Linha Férrea, da Ponte Ferroviária e da Ponte Rodoviária interferidas pela Albufeira da Barragem de Odelouca, Construção da Ponte da Sapeira e do Acesso entre o Coroamento da Barragem de Odelouca e a Tomada de Água do Túnel Odelouca/Funcho” e “Restabelecimento de Caminhos afetados pela Albufeira de Odelouca”.


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Praias do nosso Algarve - Praia da Lota

Nas imediações desta praia podem ainda hoje observar-se embarcações de pesca artesanal e as respectivas artes de pesca, trazendo a memória do tempo em que este areal foi utilizado como lota e se vendia o peixe acabado de chegar da faina no mar. 


Actualmente o seu uso é essencialmente balnear, tratando-se duma praia imensa com areal a perder de vista. As dunas são baixas tendo como vegetação dominante o estorno e o felpudo cordeirinho-da-praia, típicos da frente dunar. 


Mais para o interior abundam matagais dunares altos com o característico piorno-branco. A praia é relativamente tranquila, muito quente e luminosa, a rebentação é suave e os banhos mornos.

Notas: De modo a contribuir para a preservação do local, o cordão dunar deverá ser atravessado utilizando o passadiço existente.

Acesso: viário alcatroado a partir da EN 125, seguindo na direcção da Manta Rota, Praia da Lota, durante cerca de 2.5 km. Estacionamento ordenado. Equipamentos de apoio (restaurantes e WC) e vigilância durante a época balnear. Praia Acessível. Orientação: sudeste.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

«Vaso de Tavira» ruma a França para ser exposto no Louvre

O «Vaso de Tavira», uma herança islâmica daquele concelho e o ex-libris da coleção do Museu Municipal de Tavira, foi cedida por empréstimo ao Museu do Louvre, em Paris, França, para integrar a exposição temporária «Le Maroc Medieval – Un Empire de l’Afrique à l’Espagne», que estará patente até ao dia 19 de janeiro de 2015, no Hall Napoléon.


A exposição, organizada pelo Museu do Louvre e pela Fundação Nacional dos Museus de Marrocos, integra um conjunto diversificado de objetos, de várias procedências, nomeadamente, de Portugal.

Além do «Vaso de Tavira», que integra a exposição permanente no Núcleo Islâmico, foi solicitada pelo Museu francês uma pia de abluções do século XII-XIII, proveniente do Museu Municipal de Arqueologia de Silves e nove objetos da coleção de Arte Islâmica do Museu de Mértola

«O “Vaso de Tavira” é um dos objetos mais emblemáticos do período islâmico no nosso país, datado dos finais do século XI ou inícios do século XII DC. Apresenta pintura realizada a branco e, no bordo superior, um conjunto de figuras humanas (cavaleiro, besteiro, músico e uma mulher) e de animais (pombas, tartaruga, cavalos, camelo, caprino, bovino e ovídeo)», descreveu a Câmara de Tavira, numa nota de imprensa.

A presença desta peça, no Museu do Louvre, «constitui um importante meio de divulgação do património histórico-arqueológico do país e da cidade, bem como do trabalho que tem vindo a ser promovido por diversos investigadores e pelo Município de Tavira, nos últimos anos», acrescentou a autarquia.


Ponteiros dos relógios recuam uma hora na madrugada do dia 26

Os relógios vão recuar uma hora na madrugada do próximo domingo, dando início ao horário de inverno, que se prolongará até março de 2015, altura em que se regressa à hora de verão. O dia 26 será, assim, o dia mais longo do ano, com 25 horas, uma vez que a hora legal é atrasada em 60 minutos quando forem 2 horas em Portugal Continental.


A mudança de hora resulta de uma diretiva comunitária e acontece em toda a União Europeia, continuando a verificar-se as diferenças horárias entre os países dos três fusos horários que atravessam o continente europeu.

Desta forma, é adotada a hora de inverno no último domingo de outubro, sendo que às 2 horas passará a ser 1 hora.


sábado, 18 de outubro de 2014

Temperaturas a rondar os 30 graus voltam ao Sul a partir de amanhã

O sol e o calor vão voltar, já a partir de amanhã, domingo, e o bom tempo, com temperaturas bem elevadas para o que é normal nesta época do ano, manter-se-á até ao final da semana, anunciou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).


Os termómetros podem voltar a chegar aos 30 graus, em alguns locais do Algarve e do Alentejo, a meio da semana.

Segundo aquele instituto, «a partir do início da próxima semana, dia 19, haverá mudança significativa na situação meteorológica, devido ao estabelecimento de um anticiclone na região adjacente à Península Ibérica e ao transporte para o território do Continente de uma massa de ar quente e seco».

«Assim, prevê-se que gradualmente a partir de Domingo, o céu se torne pouco nublado ou limpo, a temperatura máxima suba significativamente (entre 3 e 7ºC) e a humidade relativa desça», segundo o IPMA.

Na prática, isto significa que as temperaturas máximas no Algarve andarão entre os 25 e os 30 graus e, no interior do Alentejo, oscilarão entre os 30 e os 33 graus.


sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Cherne e amêijoas ajudam a promover o Algarve no Festival da Gastronomia de Santarém

Uma Tomatada de Cherne e Amêijoa da Ria Formosa, com Escabeche de Citrinos vai servir de “cartão de visita” do Turismo do Algarve, no Festival Nacional de Gastronomia, que começa hoje, sexta-feira, na Casa do Campino, em Santarém.


A Região de Turismo do Algarve é uma das entidades que participa no certame e vai promover um show cooking do Chef José Niza inspirado na Dieta Mediterrânica, a 22 de outubro.

O chef da Tertúlia Algarvia, espaço gastronómico e cultural de Faro, «vai apurar os sabores tradicionais do mar e do campo numa Tomatada de Cherne e Amêijoa da Ria Formosa com Escabeche de Citrinos», naquele que será um dos pontos altos da participação algarvia neste certame.

«A preparação não tem segredos: alouram-se uns dentes de alho e uma folha de louro em azeite, junta-se cebola e chouriço para refogar, refresca-se com vinho branco, adiciona-se pimentos e deixa-se apurar. Adiciona-se polpa e tomate triturado, pimenta, sal e água para cozinhar em lume brando, até que entram na panela o cherne, as amêijoas e os coentros», revela a RTA, numa nota de imprensa.

«Como acompanhamento o chefe sugere um escabeche de citrinos de fazer água na boca, que se prepara com uma juliana dos legumes salteados em azeite, alhos e coentros, refrescando com o sumo e as cascas dos frutos», acrescenta aquela entidade.

No final da demonstração, o público será convidado a degustar o prato inspirado na Dieta Mediterrânica, que desde o final de 2013 é Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO e que tem em Tavira a comunidade representativa de Portugal.

Uma exposição multimédia com conteúdos sobre a dieta e um balcão com material promocional e brindes do Algarve completam a ação que terá como anfitrião o presidente da Região de Turismo do Algarve, Desidério Silva, e que contará com a presença dos presidentes da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e da Câmara Municipal de Santarém.

Fora deste momento especial, os visitantes do 34º Festival Nacional de Gastronomia podem provar iguarias típicas do Algarve na tasquinha que representa a região, dinamizada pelo restaurante farense Tasca Rasca.


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Algarve Classic Festival é este fim-de-semana no Autódromo do Algarve


O Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão vai ser este fim-de-semana, 17, 18 e 19 de Outubro, o palco do Algarve Classic Festival, onde se inserem provas de grande reputação como os campeonatos europeus FIA Históricos de Formula Junior, GT and Sports Cars entre outros. 


A grande novidade deste ano será a Classic Endurance Racing, onde os Sport- Protótipos até 1980 são reis, incluindo carros que fazem relembrar as grandes corridas de Vila Real como os variados Lolas e Chevron. 

Depois uma longa espera de três meses, desde a corrida de Vila Real no passado mês de Junho, o Historic Endurance volta ao nível organizativo habitual, contando com vinte e duas equipas estrangeiras, contrastando com as oito recebidas em Vila Real. 

A grelha, terá 50 carros, com pilotos maioritariamente de Espanha e Portugal, mas também Ingleses, Holandeses, Alemães, Belgas e até Luxemburgueses. 


Na numerosa e eclética lista de inscritos, há como grandes novidades os dois De Tomaso Pantera, um deles ex-team Candy, e o novo Lotus Elan 26R de Carlos Barbot. 

Quanto à lista de favoritos, destaca-se o regresso de Georg Nolte e o alemão Frank Stippler, piloto oficial da Audi, desta vez num GT40, que irá defrontar as três duplas Luis Lopez com Alvaro Rodriguez, Pedro Bastos Rezende com Miguel Pais do Amaral, e Miguel Moreno com Carlos Peres, todos ao volante de Porsche 911 3.0 RS, sendo de referir que o popular Mário Silva e Carlos Tavares ao volante do Ford Escort RS1600 que podem surpreender. 

Homem forte do Historic Endurance, Diogo Ferrão, aguarda mais um grande evento: “Estou muito contente com a diversidade de carros inscritos e confiante que os pilotos vão manter o nível de condução, respeitando o espírito Gentleman Driver. Desfrutando assim de duas corridas que se esperam excepcionais” 

O espectáculo do Historic Endurance estará na Sexta-feira, dia 17, para a realização dos treinos cronometrados, pelo que as corridas realizam-se Sábado e Domingo, dias 18 e 19 de Outubro.


Algarve atinge recorde de 3 milhões de dormidas em Agosto

O número de hóspedes nos estabelecimentos hoteleiros do Algarve subiu, em Agosto, 16,3 por cento, para 608 mil, as dormidas aumentaram 12,1 por cento, alcançando os 3 milhões, e os proveitos totais cresceram 14,8 por cento, ultrapassando os 160 milhões de euros, face ao mesmo mês do ano passado, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE).


Para o presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), «os resultados da hotelaria são muito positivos e estão mesmo acima das melhores previsões para o destino».

Desidério Silva assinala ainda «o feito inédito de, pela primeira vez, a região ter ultrapassado a marca dos três milhões de dormidas num único mês».

A época alta do turismo algarvio, que tem em Agosto o mês mais forte, fica igualmente marcada pelo aumento expressivo de dormidas dos residentes em Portugal: +22,2 por cento, para 1,2 milhões de dormidas só no mês de Agosto. «De Janeiro a Agosto já são mais 566 mil dormidas de portugueses do que em igual período de 2013, o que significa que o mercado interno está em franca recuperação no Algarve», sublinha Desidério Silva.

Ainda segundo o INE, em Agosto foram realizadas na hotelaria do Algarve perto de 325 mil novas dormidas de turistas, 45 por cento de todas as novas dormidas registadas no país nesse mês.

O presidente da RTA considera estes números «muito motivadores para a Região de Turismo, que tem feito um esforço enorme na aposta no mercado interno alargado (Portugal e Espanha)».

Mas, antecipa Desidério Silva, «o crescimento do setor poderá estar em risco no próximo ano, face à verba que o Orçamento Geral do Estado contempla com cortes na ordem dos 14 por cento face a 2013, contrariando os resultados obtidos e a expectativa criada.»

Para o responsável do turismo algarvio, «a marca Algarve vive e sobrevive contra mercados altamente concorrenciais e, assim, certamente não será devidamente promovida e publicitada. Esta realidade é incomportável com a promoção turística do destino e com o crescimento da economia e do emprego e pode pôr em causa todo o esforço de uma região que também se vê privada de fundos comunitários».

Em declarações ao jornalistas que, esta quinta-feira, participaram na fam trip em Lagos, promovida pela RTA e pela Câmara de Lagos, Desidério Silva fez questão de sublinhar que aqueles números do Algarve são «avassaladores».

No entanto, avisou o presidente da RTA, «anda muita gente a cavalgar a onda do turismo, mas ao mesmo tempo estão a tirar a palha toda ao cavalo. Ora, não se pode deixar de alimentar quem cria esta riqueza».


Produtores Vitivinícolas do Algarve - Quinta do Morgado da Torre

O Morgado da Torre, uma das mais antigas propriedades agrícolas do concelho de Portimão, desde 1865 na Família Mendes, tem hoje um total de 162 hectares, divididos por citrinos, cereais de regadio, montado de sobro, frutos secos e uma área de cerca de 20 hectares de vinha em regime de produção integrada, respeitando o ambiente e preservando a saúde do consumidor e do agricultor. 



Em 1999 foi criada a Adega do Morgado da Torre, que se localiza no Morgado da Torre, sítio da Penina - Torre. Foi a primeira adega no Algarve a produzir vinhos de quinta, com denominação de origem protegida (DOP/DOC – Portimão). 


Acolhimento
• Visita e prova de vinhos sujeita a marcação

• Visita à adega: 30 minutos
• Prova de vinhos: 30 minutos
• Acolhimento linguístico: Português / Inglês
• Alojamento: Não



Sítio da Penina - Torre 8500-336 Portimão
T. (+351) 282 476866
GPS. Lat.: 37º 10' 06'' º - Long.: -8º 34' 45''º



quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Polis Ria Formosa avança com a reposição do cordão dunar da Praia do Farol

A Polis Litoral Ria Formosa lançou o concurso para obra de reforço do cordão dunar da Praia do Farol, na Ilha da Culatra, no concelho de Faro, que será realimentada com areia recolhida nos canais de Faro e Olhão da Ria Formosa.


A obra, orçada em cerca de 1,7 milhões de euros, é realizada no âmbito da Empreitada de Valorização Hidrodinâmica e Mitigação de Risco daquela zona lagunar. A data de entrega de propostas deverá ser marcada para este mês de Outubro, assim que estejam terminadas «as fases de esclarecimento e de erros e omissões», apurou o Sul Informação junto da Sociedade Polis Ria Formosa, prevendo-se que a obra se inicie «no princípio de 2015», para terminar cerca de cinco meses depois.

Esta obra, em concreto, é identificada como «Intervenção 2.1 – Faro/Olhão». Nela, apenas estão previstas dragagens nos canais principais, que dão acesso a Faro e Olhão. Não está previsto o desassoreamento de barras, nem de canais secundários, que os mariscadores e viveiristas da Ria Formosa há muito exigem à Sociedade Polis.

Com esta intervenção, «pretende-se promover a recuperação dunar, mitigando a vulnerabilidade do sistema a fatores de risco, e potenciar os valores naturais do sistema, quer através do aumento da taxa de renovação da água, quer da melhoria geral da circulação hídrica na laguna», segundo a Polis Ria Formosa.


«Simultaneamente, esta ação contribuirá para uma melhoria das condições de navegabilidade nas áreas intervencionadas», acrescenta.

O Plano em que esta intervenção está inserida foi alvo de um Estudo de Impacto Ambiental, que recebeu uma Declaração de Impacte Ambiental favorável em setembro de 2013.

Em abril de 2014, foi lançado o Relatório de Conformidade Ambiental do Projeto de Execução (Recape) e, em julho passado, foi dada luz verde ao avanço do projeto.

O financiamento virá através do Programa Operacional Temático de Valorização do Território e da celebração de um protocolo entre a Sociedade Polis Ria Formosa e a Administração dos Portos de Sines e do Algarve.


Algarve nomeado para Melhor Destino de Praia do Mundo

O Turismo de Portugal, na categoria de Melhor Organismo Oficial de Turismo do Mundo, e as regiões de Lisboa (cinco nomeações) e da Madeira (três) reúnem as outras nomeações portuguesas na etapa mundial dos World Travel Awards.



Mas a região que lidera em número de nomeações é o Algarve, a maioria das quais em categorias associadas ao luxo, ao turismo residencial, ao desporto e ao sol e mar – o destino já por duas vezes recebeu o Óscar de Melhor Destino de Praia da Europa, em 2012 e 2013.

Para além de Melhor Destino de Praia do Mundo – onde a região é nomeada ao lado de destinos balneares mundialmente consagrados tais como Cancun, no México, Corfu, na Grécia, as Maldivas, Miami, na Flórida (EUA) ou a Tailândia –, vários hotéis algarvios são igualmente candidatos ao galardão mundial.

O Cascade Resort, na praia do Canavial, em Lagos, disputa o rótulo de Melhor Academia de Desporto do Mundo. Já o Pine Cliffs Residence, na praia da Falésia, em Albufeira, concorre para Melhor Hotel Residences do Mundo. O Martinhal Resort, na praia do Martinhal, em Sagres, está proposto para Melhor Villa Resort do Mundo. E Vila Vita Parc, em Alporchinhos, Porches (Lagoa), ambiciona chegar ao título de Resort Mais Romântico do Mundo.

Vila Joya, na praia da Galé, em Albufeira, que desde 2005 já recebeu 17 Óscares, está nomeada nas categorias Melhor Boutique Hotel do Mundo e Melhor Boutique Resort do Mundo. Last but not least, o Conrad Algarve concorre em três categorias: Melhor Resort do Mundo, Melhor Resort de Luxo do Mundo e Melhor Resort de Lazer de Luxo do Mundo.

Os World Travel Awards distinguem os melhores exemplos de boas práticas no setor das viagens e turismo à escala global desde 1993. A votação é realizada online pelo público e por profissionais de todo o mundo. Para votar basta registar-se aqui e fazer as suas escolhas até dia 26. Os resultados serão conhecidos no final de novembro.

Mais informações em www.worldtravelawards.com.


Melhores restaurantes do Algarve vão ter selo de “qualidade turística”

Os melhores restaurantes do Algarve vão poder candidatar-se a um selo de “qualidade turística” a partir do próximo ano. A iniciativa pertence à Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve (AHISA) em parceria com a Escola de Hotelaria e Turismo, Região de Turismo e Comunidade Intermunicipal, tendo como o objectivo promover a “excelência” na área da gastronomia e serviços na área da restauração e bebidas.


O presidente da AHISA, Daniel do Adro, na apresentação do projecto, que decorreu esta quarta-feira, lembrou que os bons restaurantes são conhecidos pelos chefs que os projectam com as suas criações, mas neste caso o que pretende destacar é a “equipa que trabalha no restaurante”. Por isso, a avaliação feita pelas quatro entidades, adiantou, vai ter em conta “não apenas a qualidade da gastronomia, mas também as boas práticas de higiene e segurança alimentar e a excelência do serviço”. No caso de ser necessário formação profissional, afirmou, “a Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve assume essa responsabilidade, sem quaisquer encargos”.

O presidente da Região de Turismo do Algarve, Desidério Silva, por seu lado, sublinhou a importância deste “selo de qualidade” como estímulo aos empresários, que tendem a fechar os estabelecimentos a partir desta altura, só reabrindo na Primavera. No entanto reconheceu as “dificuldades” que enfrenta o sector turístico por causa da carga fiscal. “Basta atravessar o rio Guadiana e temos o IVA da restauração a 10%”, sublinhou. Na opinião deste dirigente, ex-presidente da câmara de Albfufeira (PSD), é necessário remar para o mesmo lado na defesa do sector mas não é o que está a suceder. “Quando chega a altura de dar trevo ao cavalo, nem todos o fazem”, criticou. O facto da Dieta Mediterrânica ter sido considerada, há um ano, Património Imaterial e Cultural da Humanidade, disse, não teve ainda resultados práticos: “Tem de sair do papel e passar a ser um selo de qualidade, reconhecido pelos consumidores”.

O selo de “qualidade turística” na restauração e bebidas, afirmou Daniel do Adro, pode ser retirado caso o estabelecimento deixe de cumprir os padrões que estão na base da atribuição do símbolo. Os consumidores que se sintam lesados ou frustrados podem apresentar reclamações à AHISA, mas deixou uma advertência: “Uma grande maioria das reclamações que existe na hotelaria muitas das vezes não tem fundamento, digo isto por experiência própria”. O dirigente a associação é proprietário do Hotel Quinta do Lago e Hotel Ria Park, em Vale do Lobo.


terça-feira, 14 de outubro de 2014

Procura para aquacultura no Algarve foi superior em 40% às áreas disponíveis

A ministra da Agricultura e Mar, Assunção Cristas, anunciou hoje que a procura de investidores interessados em aquacultura 'offshore' no Algarve foi superior em 40% às áreas disponíveis, admitindo disponibilizar novas áreas.


"No Algarve tivemos candidaturas que superam a área que estava disponível em cerca de 40%. Os candidatos estão a ser seriados e haverá uma decisão de acordo com o regulamento", afirmou Assunção Cristas, quando questionada sobre os resultados do concurso internacional para a exploração de áreas de aquacultura 'offshore' (em mar aberto), entre o Algarve e Aveiro, lançado em meados de julho.

"Isto sugere que há procura, há interesse, e que, eventualmente, podemos caminhar para mais áreas", adiantou a ministra, à margem de um seminário sobre o mar, organizado pela Assembleia da República.

Os concursos públicos internacionais previam a atribuição de duas concessões para produção em mar aberto com a duração de 30 anos, no Algarve e ao largo de Aveiro, mas os investidores não mostraram interesse por esta região.

"Sabíamos que estávamos a propor áreas mais difíceis, mais desafiantes, o mar [da região de Aveiro] é mais difícil, mas as áreas estão pré licenciadas e poderão continuar a estar disponíveis para quem no futuro, com mais tecnologia e, se calhar, com um bocadinho mais de capacidade de arriscar, se queira dedicar a essas áreas", sugeriu a governante.

No Sul, "as pessoas estão mais interessadas", até porque no Algarve existem "boas experiencias com bons resultados" em matéria de aquacultura 'offshore', comentou Assunção Cristas.


Feira de Natal de Lagoa sai à rua com muitas novidades

A Feira de Natal de Lagoa, uma das principais iniciativas alusivas à quadra natalícia que se realiza no concelho, prepara-se este ano para apresentar muitas novidades e novos motivos de atração.


Agendada para os dias 12, 13 e 14 de Dezembro, a feira vai realizar-se pela primeira vez ao ar livre, mais precisamente no Largo do Auditório Municipal, depois de, nas três primeiras edições, ter decorrido na nave da FATACIL.

O evento, organizado pela União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro, vai para a quarta edição e «tem vindo a crescer sustentadamente, tendo em 2013 registado recordes de expositores e visitantes».

No sentido de manter esta «linha de qualidade e crescimento», a organização está a preparar várias inovações para atrair ainda mais público. Cinema para os mais pequenos, animação infantil diversificada, teatro e música são algumas das novidades, além dos já habituais insufláveis.


Feira de Carvoeiro

Uma semana depois de Lagoa, a 19, 20 e 21 de dezembro, é a vez de Carvoeiro receber também a sua Feira de Natal, que terá lugar no Largo da Praia, e que passará a ser organizada pela União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro.

À semelhança do que tem acontecido na Feira de Natal de Lagoa, o executivo apostará na qualidade, crescimento e diversidade de um evento que contará com muita animação e algumas novidades. Em breve, serão anunciados os programas das feiras.

Os expositores e comerciantes interessantes em marcar presença nas feiras para expor e divulgar os seus produtos poderão fazer a inscrição entre 20 de outubro e 14 de novembro, que poderá ser efetuada presencialmente nas instalações da União das Freguesia de Lagoa e Carvoeiro, ou através do envio do formulário de inscrição para o email geral@uf-lagoa.pt.

O formulário estará disponível em www.uf-lagoa.pt (novo site) a partir de 20 de Outubro.

Para quaisquer dúvidas poderá contactar a União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro através do telefone 282 352 665 (Lagoa) ou 282 356 690 (Carvoeiro).


segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Visitas aos monumentos do Algarve aumentam 11% no primeiro trimestre de 2014

O número total de entradas em equipamentos culturais do Algarve tutelados pela Secretaria de Estado da Cultura aumentou mais de 11%, atingindo os 122 mil visitantes no primeiro semestre de 2014.



A Fortaleza de Sagres foi o monumento mais visitado, com um aumento de 10 mil pessoas, em comparação com 2013. A Villa Romana de Milreu também teve um crescimento de cerca de 21%.


No Alentejo, houve um aumento mais moderado, de cerca de 2 mil visitantes, face ao ano passado.

No total, os equipamentos culturais foram visitados por mais de 41 mil pessoas, das quais cerca de 12 mil passaram pelo Museu de Évora. O maior crescimento registou-se na Casa de Burgos, também em Évora, que teve um aumento de 70% no número de visitantes.

Os dados foram revelados hoje por aquela Secretaria de Estado, revelando que os monumentos, museus e palácios tutelados por este organismo em todo o país tiveram um aumento de 177 mil visitantes no primeiro semestre de 2014, mais 8% do que no mesmo período do ano passado. No total, visitaram estes equipamentos cerca de 2,4 milhões de pessoas.

O Mosteiro dos Jerónimos é o monumento mais visitado, com 368 mil entradas, mais 10 mil que em 2013; segue-se a Torre de Belém e o Museu Nacional de Arte Antiga, todos em Lisboa, com 242 mil e 143 mil visitantes, respetivamente.

O Castelo de Guimarães foi o espaço mais visitado no primeiro semestre do ano, com 138 mil pessoas.

Na zona centro do País, mais de 114 mil pessoas visitaram equipamentos culturais, um acréscimo de 6 mil visitantes, face a 2013. O Museu de Aveiro, localizado no Convento de Jesus, foi o mais visitado, com mais de 21 mil entradas.


Fonte: http://www.sulinformacao.pt/

A cal vai passar a ser produto turístico no barrocal algarvio

O último forno de cal deixou de trabalhar no Algarve há mais de meio século. A tradição pode vir agora a ser retomada, pela mão dos espanhóis, com a ajuda de uma ONG sedeada no Reino Unido.


As cores e os cheiros da cal – que nem sempre é branca – vão conduzir os turistas à descoberta do barrocal. Um geólogo e uma historiadora pretendem mostrar aos turistas como era no Algarve no tempo em que as casas não se pintavam com tinta e pela janela entrava o cheiro a alecrim e rosmaninho. A proposta, de vertente cultural e empresarial, despertou o interesse da organização internacional Lead – Inspiring Leaders for a Sustainable World.

À entrada da serra do Caldeirão, uma curva apertada convida a abrandar a marcha. Susana Calado sugere fazer um pequeno desvio para visitar um forno de cal, ainda intacto. A viagem é feita de automóvel, mas o que propõe é abandonar a viatura. “Pode-se chegar aqui vindo pela Via Algarviana, desce-se a calçadinha medieval, em Querença, sobe-se o cerro, estamos no Porto Nobre.” Assim, de forma resumida, está apresentado um dos percursos pedestres da rota da cal e do barro, à semelhança do projecto de Morón (Sevilha). No Algarve, a última pedra de cal artesanal deixou de se produzir há mais de meio século.

A jovem, que fez uma tese de mestrado sobre a produção artesanal de cal, pretende dar a conhecer e valorizar esta matéria-prima enquanto produto cultural e turístico. “Esta pedra aqui não parece branca, mas vai dar cal branca.” Então, a cal não é toda branca? “Não, essa é outra história”, observa. O colega do projecto, Bruno Rodrigues, geólogo, complementa, explicando como é que as casas caiadas surgem, por vezes, com barras de azul, ocre e verde. “As cores derivam dos minerais, cujos pigmentos se juntam à cal e lhe dão a coloração.” A arquitectura tradicional do Algarve e Alentejo conserva ainda alguns exemplos da pré-época da massificação industrial das tintas. 


Cal algarvia feita por espanhóis

Quando chegou à aldeia, no princípio do Verão, Susana Calado, perguntou onde poderia encontrar fornos de cal. “O quê, a menina está doida?”, exclamou a mulher que encontrou sob um sol abrasador. “Desapareceu tudo, dava muito trabalho, e os que sabiam trabalhar nisso já morreram.” Não se deu por vencida. Ao fim de dois meses de andar a calcorrear montes e vales, descobriu mais de uma dezena de exemplares, só na zona de Querença. “Afinal valeu a pena”, pensou. Agora, quando se cruza com as pessoas da terra, fica satisfeita quando lhe dizem: “Então, quando é que vamos caiar?”

Por enquanto, a pergunta é ainda encarada quase como uma brincadeira, mas o assunto está a ser levado a sério, do ponto vista académico e empresarial. Por isso, no dia 1 de Novembro realiza-se em Querença um seminário, envolvendo investigadores de três universidades, no qual se vai debater as utilizações da cal e dos pigmentos das terras argilosas do barrocal algarvio, elementos de suporte na construção sustentável.

No entanto, o retomar desta actividade tradicional esbarra nalgumas dificuldades. Os mestres caleiros desapareceram e uma grande parte do conhecimento prático ficou perdida na poeira das memórias. Do outro lado da fronteira, em Morón de Frontera (Sevilha), a tradição foi retomada, com êxito, e pode estender-se a Portugal. “Estamos a procurar estabelecer uma parceria com o Museu da Cal de Morón para vir cá um mestre caleiro dar formação”, diz Susana Calado, adiantando que Manuel Gil Ortiz da Associação Fornos de Cal de Morón é um dos convidados do encontro A Cal e o Barro como Produtos Culturais e Turísticos, a decorrer no primeiro fim-de-semana do próximo mês, no auditório da Fundação Manuel Viegas Guerreiro, em Querença.

Mas, na semana passada, já oito elementos da Lead, uma organização internacional especializada na captação de futuros líderes para a temática da sustentabilidade, estiveram no terreno a estudar o Projecto Querença – uma iniciativa que surgiu, há dois anos, fruto de uma parceria entre a Universidade do Algarve e a Fundação Manuel Viegas Guerreiro destinada a ajudar a travar a desertificação do mundo rural. Aí se insere este projecto da cal.


Arejar ideias, com as botas na lama

Hugo Matias, argentino, acaba de chegar de um passeio à ribeira da Benémola, integrado na equipa da Lead, sedeada no Reino Unido. O percurso, com uns pingos de chuva pelo meio, serviu para arejar ideias. Após uma manhã de trabalho, em espaço fechado, decidiram meter as botas na lama. Durante uma hora, o grupo andou, cada qual por seu lado, a caminhar pelos trilhos do vale rochoso, a reflectir sobre o que fazer para que as aldeias portuguesas tenham futuro.

“Temos muitas perguntas sem resposta”, disse ao PÚBLICO. Hugo Matias, formado na área dos recursos humanos, destacou a importância da “energia do sítio”, onde a natureza se apresenta em estado puro. O que estes líderes, com diferentes formações académicas, pretendem fazer é um diagnóstico, “baseado na experiência directa”, sobre os problemas locais. “Vamos produzir um documento, com algumas recomendações”, afirmou, adiantando que a situação que se verifica no Algarve e um pouco por todo o país exige uma “abordagem multidisciplinar”, casando os conhecimentos académicos com a intervenção no território. Da equipa este elemento foi o único que conhecera o Projecto Querença, quando esteve em Portugal há dois anos, ao serviço da Lead.

domingo, 12 de outubro de 2014

Mais de cem mil ementas servidas na Rota do Petisco no Algarve

Mais de cem mil ementas foram servidas na quarta edição da Rota do Petisco, que hoje termina, em três concelhos do Algarve, para promover a gastronomia tradicional, contribuindo para enriquecer a oferta turística da região.


Teia D'Impulsos, o certame, que começou a 05 de Setembro, superou as expectativas dos organizadores ao ultrapassar as cem mil ementas consumidas em 2013.

"Ainda não temos os números exactos, mas sabemos que já foram ultrapassados os do ano passado, dado que ao fim de duas semanas já tínhamos cerca de 75 mil ementas vendidas. Tudo indica que a iniciativa voltou a ter enorme sucesso", disse à agência Lusa o presidente da associação Teia D'Impulsos, Nuno Vieira.

Na edição deste ano, que se estendeu de Portimão a Lagoa e Silves, 124 estabelecimentos de restauração apresentaram a modalidade "petisco", composta por um pequeno prato e uma bebida ao preço de 2,50 euros, convidando os participantes a degustarem a gastronomia algarvia, atraídos pelos cheiros e sabores ao viajarem pelas ruas e vielas.

Segundo Nuno Vieira, o evento, que começou "com um tiro no escuro, assume já um importante lugar no calendário cultural gastronómico e cultural da mais importante região turística do país".

"Há quatro anos era um conceito novo no Algarve, mas tem vindo a despertar o interesse dos empresários, originando que a edição de 2014 fosse estendida a outros dois concelhos, tomando já uma dimensão bastante significativa", destacou.

O responsável revelou que "o êxito do certame já tem eco para além do Algarve" e que "há outras regiões do país que já manifestaram interesse em adoptar a 'rota'".

De acordo com Nuno Vieira, este ano foram introduzidas algumas novidades, como "um menu para os mais pequenos, a rota das mercearias e do comércio tradicional". A organização considera que o evento "passou a fazer parte, quase obrigatório, do roteiro dos residentes e turistas ao longo de cinco semanas, com início em Setembro".

Para o empresário Júlio Ribeiro, que participa desde a primeira edição, a Rota do Petisco "tem sido um impulsionador na divulgação da gastronomia e ao mesmo tempo na promoção do comércio".

"Todos os comerciantes retiram proveito, não em termos lucrativos mas em termos de visibilidade, e estamos todos satisfeitos com a dinâmica do evento", sublinhou o dono do restaurante Forte e Feio, que apresenta como ementa papinhas de berbigão com sardinha albardada.

"Tem sido um saldo muito positivo e temos de agradecer a toda uma organização de jovens emprenhados em divulgar a cidade e a gastronomia com este evento num formato bem pensado e equilibrado, proporcionando várias opções para degustação", destacou.

Segundo os responsáveis do restaurante Bacalhoada, a iniciativa contribuiu para um aumento substancial do volume de negócios, chegando a ultrapassar as 500 ementas diárias.

"Tivemos dias em que servimos mais de 500 'rotas', o que traduz a importância do evento", disseram Sónia Saavedra e Thai, colaboradoras do estabelecimento, onde se pôde degustar a bolinha de bacalhau.

A Rota do Petisco tem também uma vertente social, já que a verba conseguida com venda do 'passaporte', documento que permite a participação no evento e custa um euro, é entregue a instituições de solidariedade social do Algarve.


Terras do nosso Algarve - Estoi

Estoi é uma terra com carácter, uma aldeia com personalidade.

Antiga, festiva e tradicional, mantém nas suas ruas e casas muito ao jeito algarvio. As fachadas caiadas, as chaminés rendilhadas, os pequenos quintais com árvores e flores, são ainda a alma desta região.


Respira-se Algarve em Estoi.

Ao longo de todo o ano chegam turistas procurando o passado nas ruínas de Milreu, espólio do tempo dos romanos, e no Palácio de Estoi, construção que remonta ao século XIX.

Estoi é uma aldeia de gente calorosa e hospedeira.

Estoi, uma das aldeias mais típicas do Algarve, fica situada nas faldas da Serra do Monte Figo, a ramificação mais meridional da Serra do Caldeirão, que debruçada sobre a estreita planície litoral, na zona centro do Algarve, dá inicio ao Barrocal. A 9 Km de Faro, é servida de boas acessibilidades, uma vez que tanto a EN 2, como o nó de Faro / S.Brás, da IP1 Via do Infante, distam apenas algumas centenas de metros do núcleo urbano.



A actividade económica da freguesia é baseada no sector primário, havendo, no entanto, algumas industrias directamente ligadas à actividade agrícola e agro-pecuária, bem como à transformação de mármores e pedras ornamentais. Merece destaque também, a construção e os serviços.

O pomar tradicional de sequeiro, constituído por misto de amendoeira, alfarrobeira, oliveira e figueira é, de há muito, o coberto vegetal predominante da freguesia e representa a actividade principal, que ao longo dos séculos, num saber feito de tradição, que perdurou das colonizações romana e árabe, absorveu a maioria da mão de obra das suas populações.

Os serviços ligados aos sectores da Administração Pública, Ensino e Educação, Comércio, Transportes e Turismo e Construção Civil, por outro lado, tornaram-se contudo os principais sectores económicos da região.

A abundância da água da fonte localizada na praça principal do núcleo histórico da aldeia, está na origem da “Villa Rústica” de Milreu, importante casa agrícola Romana datada do séc. I, que no séc. III foi transformada num palácio, dotado de termas abastecidas por águas canalizadas dessa mesma fonte.

Utilizado em épocas posteriores por outros povos, que colonizaram a região, o edifício foi-se degradando ao longo dos tempos, acabando por cair em ruína. A queda da base da sustentação económica daquela exploração agrícola pensa-se, estará na origem da aldeia de Estoi. Os trabalhadores da mesma, após a sua desagregação, ter-se-ão deslocado para junto da fonte que abastecia o conjunto rústico-palaciano, ai construindo as suas casas e dando origem à povoação, que criou raízes e se desenvolveu.

A mais antiga alusão escrita que se conhece de Estoi data de 1415, referindo-se a um participante da conquista de Ceuta, que seria casado com a filha do Alcaide-mor de Estoi.

Património Cultural

Ruínas Romanas de Milreu
Monumento nacional constituído por vila rústica – séc. I, Palácio com termas – séc. III e Templo pagão – séc. IV



Igreja Matriz
Templo do séc. XVI, construído no estilo Renascentista, remodelado no final do séc. XVIII em estilo Neoclássico, sob a orientação do arquitecto italiano Francisco Xavier Fabri. Possui interessante torre sineira, púlpito em mármore regional, estatuária sacra dos sécs. XVII, XVIII e XIX e uma custódia em prata dourada do séc. XVII.

Ermida do Pé da Cruz
Templo construído em 1600, com azulejos-padrão seiscentistas, retábulo estilo Rococó e fachada remodelada em estilo Neoclássico.

Palácio de Estoi
Conjunto classificado, constituído por palácio e jardins em estilo Romântico (séc. XIX), mandado construir num local com excelente enquadramento paisagístico, por Fernando José Pereira do Carvalhal e Vasconcelos, membro de uma das famílias mais destintas da nobreza algarvia. A conclusão das obras e decoração só foram concretizadas no final do séc. XIX e início do séc. XX, ao tempo de José Francisco da Silva, Visconde de Estoi, que recorreu para o efeito a importantes artistas nacionais e a galerias de arte italianas.


Merecem destaque no interior o conjunto de trabalhos em estuque e o mobiliário dos salões nobres e nos jardins a azulejoaria e estatuária.
“Se em matéria de Palácios para belas adormecidas o autor não tivesse como tem idéias tão bem definidas, talvez adaptasse para o efeito estes jardins e estas arquitecturas”

Quinta de S. João da Horta Nova
Interessante conjunto de casa de Quinta com capela, anexos agrícolas e tanque, do séc. XVIII.

Núcleo Histórico
Conjunto de ruas, praças e patrimônio habitacional de carácter algarvio, fachadas caiadas, cantarias em pedra trabalhadas, varandas em ferro forjado e chaminés recortadas, na presença de pequenos quintais com árvores e flores.


Obra Poética de Emiliano da Costa
Importante poeta algarvio nascido em Tavira, que adoptou a aldeia de Estoi como sua, aqui se radicando com carácter definitivo, jovem recém licenciado em medicina, para exercer a sua actividade profissional e escrever a sua obra poética grande parte da qual dedicada à sua “Aldeia Branca”, ao seu povo, costumes e vivência rural.


Aves, flores, saudades

Sol a sol, desde a serra até ao mar,

Das pegas-rabilongas às gaivotas,
A orquestra alada, requintado as notas,
De nascente a poente é só tocar:

Ocarinas em fila – terras-cottas
Em beirais de telhado; à beira-mar,
Flautas de abibes; harpas de luar

Em garças ribeirinhas, nas marnotas;
Ao longo das ribeiras são as filas
Dos violinos – sílvias e fringilas –
Violetas, violas-trisonoras

E no alto do céu, flamas em jogo,
A regê-los, o Pássaro de Fogo
Peneira as grandes asas criadoras.                                                                     
(in “Concerto ao ar livre”)




Património Natural

Zona do barrocal algarvio, de paisagem variada, não descaracterizada, com interessantes passeios por estradas rurais, desfrutando nos seus pontos mais elevados de magníficas vistas de mar e serra.

Produtos Locais

Perduram algumas olarias tradicionais e existe um Centro de Arte onde se manufacturam alguns trabalhos interessantes de vidro e cerâmica.

sábado, 11 de outubro de 2014

Associação Oncológica do Algarve organiza Mamamaratona 14

A Associação Oncológica do Algarve em parceria com a Câmara Municipal de Portimão e a Associação de Atletismo do Algarve, vão realizar amanhã, dia 12 de outubro de 2014, pelas 10 horas, a Mamamaratona 14.
A prova tem como principais objetivos alertar a população para a problemática do Cancro, em particular da Mama, sensibilizar as pessoas para a prática de um estilo de vida saudável e angariar fundos para o próximo projeto, a Casa Flor das Dunas, uma residência temporária para o doente oncológico que se encontra em tratamento na Unidade de Radioterapia do Algarve, também obra da AOA.
A Mamamaratona 14 será constituída por uma Marcha/Corrida de 8 km, com um percurso suave, plano, tendo como ponto de partida e de chegada o espaço da Antiga Lota da Zona Ribeirinha, desenrolando-se pela marginal e cidade, à beira do Rio Arade. A participação na prova é aberta a todas as pessoas e de todas as idades que se sintam capazes de participar e pode ser feita a correr ou a caminhar.
Para além da Marcha/Corrida também se irá realizar a 3ª Meia Mamamaratona (21 km) e a 2ª Mini Mamamaratona (10 km), provas integradas na Mamamaratona 14.
O percurso da 2ª Meia Maratona tem início e chegada na antiga lota de Portimão na zona ribeirinha de Portimão, realizando 2 voltas ao percurso numa distância total de 21.097 metros. O percurso da 2ª Mini Meia Maratona é o mesmo a da Meia Maratona, sendo realizado 1 volta ao percurso numa distância aproximada de 10,5 km.
Escalões (Mini Maratona):
- Juniores M/F (18 a 19 anos)
- Seniores M/F (20 a 34 anos)
- Veteranos M 1 (35 a 44 anos)
- Veteranos M 2 (45 ou mais anos)
- Veteranas F (35 ou mais anos)

Escalões (Meia Maratona):
- Seniores M/F (20 a 34 anos)
- Veteranos M 1 (35 a 44 anos)
- Veteranos M 2 (45 ou mais anos)
- Veteranas F (35 ou mais anos)

As inscrições podem ser efetuadas até ao dia 11 de outubro de 2014, nos seguintes locais: Associação de Atletismo do Algarve (Faro), Sede A.O.A. (Faro), Forum Algarve (Faro), Edifício Antiga Lota Zona Ribeirinha (Portimão), Centro Comercial Continente (Portimão), Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio (Portimão).
Para mais informações, consultar site oficial da Mamamaratona 14 ou o regulamento disponível no site da AAA - www.aaalgarve.org

Universidade do Algarve cresce 12% face à estagnação nacional de admitidos no ensino superior

A Universidade do Algarve (UAlg) regista o maior aumento no número de admitidos entre as universidades portuguesas. A constatação é feita após a publicação dos resultados da 3ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao Ensino Superior.



Os dados publicados pela Direção Geral do Ensino Superior indicam que, em 2014, não se verificou um aumento no número total de admitidos a nível nacional (- 0,04%), enquanto a UAlg teve um crescimento de 12%.

Por sua vez, o número de candidatos que escolheram esta instituição como 1ª opção cresceu 22% no conjunto das 3 fases do CNA (1ª fase: +14%, 2ª fase: +32% e 3ª fase: +66%).

O crescimento do número de admitidos, associado ao ajustamento da oferta formativa (1562 vagas em 2013 para 1420 vagas em 2014), permitiu, após a conclusão da 3ª fase, um aumento de 14 pontos percentuais da taxa de ocupação.


Quanto à origem geográfica dos colocados na universidade algarvia, e tendo por referência apenas dados da 1ª fase, o Algarve continua a ser a região dominante, representando 58% do recrutamento, com um crescimento de 15% face ao ano letivo passado.

A nível nacional, destacam-se os distritos de Aveiro, Leiria, Lisboa, Santarém e Setúbal, que, comparativamente ao ano passado, registam, no seu conjunto, um crescimento de 50%, representando 22% dos alunos colocados na UAlg.

Para o reitor António Branco, “os resultados da Universidade, concluída a 3ª e última fase do CNA, confirmam a tendência ocorrida na 1ª fase, o que é um motivo de grande satisfação. Também se verifica um crescimento muito significativo de candidatos oriundos do Algarve”.

“Tal evidência reforça a minha convicção de que vale a pena continuar a trabalhar para tornar ainda mais visível a nossa capacidade de formar quadros superiores entre os jovens da região e assim contribuir para o desenvolvimento do Algarve”, acrescenta.

“Não posso deixar de me regozijar, também, com o aumento de candidatos de outros distritos, esperando que a sua permanência académica no Algarve venha a constituir um fator de motivação para, findo esse percurso, se fixarem cá”, conclui o reitor.


Fonte: http://www.sulinformacao.pt/

Dieta Mediterrânica com sabor a Algarve dá-se a provar no Egito

“Cataplana de Pintada com Batata-doce de Aljezur e Mexilhão” e “Polvo de Santa Luzia com Xarém de Ameijoa Branca e espinafre salteado” foram as duas receitas escolhidas pelos Chefs do projeto SlowMed para representarem Portugal no Encontro Internacional, que decorre entre 26 e 30 de Outubro, na Biblioteca de Alexandria, no Egito.


As seis equipas nacionais (Local Working Groups – LWG) do projeto SlowMed vão reunir-se durante quatro dias para aprofundar o trabalho que está a ser realizado em Portugal, no Egito, em Espanha, na Itália, Palestina e Líbano e para delinear em conjunto as próximas etapas da cooperação internacional.
Durante estes dias, irão ser apresentados aos participantes os pratos que o LWG português considerou mais representativos da gastronomia mediterrânica, no Algarve, num exercício gastronómico de simbiose entre a tradição e a inovação.
O LWG Português integra quatro chefs (Adérito Almeida e Abílio Guerreiro, da EHTA, Margarida Vargues e Pedro Beleza, com a consultoria do chef José Niza, da Tertúlia Algarvia), quatro cineastas (Jorge Mestre Simão, do CIAC-UAlg, Fúlvia de Almeida, Ana Medeira e Rodrigo Cartegiano), uma nutricionista (Catarina Vasconcelos) e uma especialista em comunicação e alimentação (Susana Rosa).
Projeto SlowMed, apoiado pelo programa ENPI CBC-MED, tem como objetivos consagrar a Dieta Mediterrânica como um estilo de vida saudável e o Slow Food como uma forma de diálogo cultural entre os povos do mediterrâneo.

Visa incentivar a preservação e conservação do património gastronómico, cultural e artístico do Mediterrâneo, promover o reconhecimento da gastronomia como uma forma de expressão cultural e artística e de aproximação entre os povos do mediterrânico e ainda estimular a cooperação económica, cultural e institucional no campo da Dieta, Cultura e Arte Mediterrânica.


Entretanto, no próximo dia 13 de Outubro,  segunda-feira, decorrem na zona histórica de Faro as filmagens finais do vídeo com que o LWG Algarvio fará a apresentação da região no Encontro Internacional de Alexandria.
Estas filmagens culminam uma fase exploratória em que muitas filmagens, entrevistas, pesquisas e recolhas de receitas foram feitas, segundo os temas “Mar” (durante a II Feira da Dieta Mediterrânica em Tavira) e “Terra”, durante o evento “TocA’Andar” na Serra do Caldeirão, onde o LWG também organizou a realização de um Show Cooking de Dieta Mediterrânica.
O Festival Internacional da Dieta Mediterrânica, a decorrer em Alexandria, no Egito, conta com mais de 80 convidados provenientes de Itália, Egito, Espanha, Líbano, Palestina e Portugal.
Entre esses convidados contam-se chefs de mérito internacional para o Júri da Competição Internacional de Pratos de Fusão, 24 Chefs dos LWG, consultores gastronómicos portugueses, realizadores de cinema de mérito Internacional, para o Júri do Concurso Internacional de Documentários sobre a Dieta Mediterrânica, 24 Cineastas dos LWG, seis Dietistas, seis especialistas em alimentação e comunicação, 14 coordenadores de LWG e de projeto e outras personalidades nacionais e internacionais.
Ao longo dos quatro dias do Encontro, terão lugar exibições de gastronomia de Itália, Egito, Espanha, Líbano, Palestina e Portugal, Cooking Classes internacionais sobre cozinha de fusão nestes países, um Seminário Internacional sobre a Dieta Mediterrânica, um concerto de música portuguesa, uma competição Internacional de Pratos de Fusão em torno da Dieta Mediterrânica, um Concurso Internacional de Documentários sobre a Dieta Mediterrânica, um Jantar internacional de Dieta Mediterrânica, a apresentação do Livro de Receitas de Dieta Mediterrânica, para crianças, e ainda um Workshop Internacional de Nutrição e Dieta Mediterrânica.